sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

A democracia da UEM

Na UEM (Universidade Estadual de Maringá), em que funcionários e estudantes juntos não igualam o PODER dos Profesores (respectivamente:15/15/70) esta é a "democracia" atual no interior do PR. Além deste fato há também outros no mesmo sentido, só que piores, na reunião de departamento os discentes (estudantes) têm direito a um voto, mas os docentes(professores) tem cada um direito ao seu próprio voto, pegando um departamento com 40 professores e 400 estudantes temos: 1 voto que defende o interece dos estudantes como um todo e 40 votos que defendem os professores com suas singularidades. Mas, na verdade, há 400 estudantes com intenções distintas, para se chegar ao voto vencido do representante desses 400 temos o centro Acadêmico ou Diretório Acadêmico (neste segundo nome consta um intenção pior, de Diretoria, lembra aquela autoridade da escola) bom neste "espaço" há uma certa autonomia dos estudantes pois é formado em uma assembléia (reunião aberta à todos com direito a fala e voto) nesta assembléia decidem as diretrizes, objetivos e regras organizativas adotadas para gerir o coletivo (os estudantes) até uma data ou atividade estabelecida na própria assembléia fundadora (a primeira). Só no caso do CA ou DA (como é usualmente chamado) já é posível idêntificar várias configurações, alguns mais democraticos outros mais oligarquicos. (depois exemplifico e especifico mais este ponto). Voltando ao departamento e sua democracia, os funcionários do departamento, que geralmente trabalham sempre que esta aberto o departamento não participam da reunião ou seja não tem nem voz nem voto nas decisões do departamento. Os estudantes acabam ficando na mesma. Na UEM a assembleia geral não é deliberativa, mas apenas consultiva, isto significa que não resolve nada e não temos uma democracia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário